FPE © 2019 . Federação Paulista de Esgrima. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida, armazenada em um sistema de recuperação ou transmitida de qualquer forma ou por qualquer meio (incluindo fotocópia, gravação ou armazenamento, sejam de forma impressa ou eletrônica), sem a permissão por escrito da Federação Paulista de Esgrima.

Criado por Wings Marketing & Design

ir ao topo

História da Esgrima

          A esgrima (do antigo provençal esgrima do vocábulo germânico skirmjan, "proteger") é um desporto que evoluiu da antiga forma de combate, em que o objetivo é tocar no adversário com uma lâmina ao mesmo tempo que se evita ser tocado por ele. Existem três disciplinas de esgrima: o florete, a espada e o sabre, diferindo não só no formato da lâmina mas também nas zonas do corpo onde um toque é válido e também como as armas funcionam.


 

A história da esgrima em si tem uma origem de pelo menos três mil anos. Pinturas egípcias e gregas mostram guerreiros empunhando espadas. A Bíblia também se refere a muitas espadas ao longo dos dois testamentos. Um templo japonês construído em 1170 a.C., mostrava alguns guerreiros semidespidos empunhando armas pontiagudas com bicos de proteção.



A esgrima nessa época era muito mais que um simples desporto — era uma maneira de combater, e como tal não havia nenhuma regra precisa; porém, surge a preocupação com a técnica para aplicar e defender-se dos golpes. Em Roma, existiam escolas de gladiadores onde se formavam os doctore armarum, especialistas na arte de combater com armas brancas para entreter o público. Na Idade Média, a esgrima se diversificou devido aos vários formatos de espadas e sabres existentes.

 

 

 

 

 

 

 

 

Da Antiguidade à Alta Idade Média (antes de 1350)
 

         Não se sabe da existência de nenhum manual de esgrima anterior à Baixa Idade Média (exceto por algumas instruções de luta grega, (veja P.Oxy. III 466)), embora a literatura Antiga e Medieval (Sagas Vikings e Contos Alemães) mencionam feitos e conhecimentos militares; além de arte do período mostrar combates e armamentos (Tapeçaria de Bayeux, a Bíblia Morgan).

         Alguns pesquisadores tentaram reconstruir antigos métodos de lutas como o Pancrácio e técnicas de combate dos gladiadores usando como referência estas fontes e testes práticos, embora estas recriações sejam mais especulativas do que baseadas em instruções reais.

A Baixa Idade Média (1350 a 1500)

A escola alemã,

         A figura central das artes marciais medievais na Alemanha é Johannes Liechtenauer. Pai da esgrima alemã, Liechtenauer nasceu provavelmente no começo do século XIV, possivelmente em Lichtenau, Mittelfranken (Francônia). O que se sabe sobre ele, junto com seus ensinamentos, está preservado no Manuscrito 3227a e nos vários manuais dos seus alunos e sucessores. De acordo com esse manuscrito, Liechtenauer era um grande mestre que viajou por muitas terras para aprender sua arte. Nos manuscritos do século posterior, a Sociedade Liechtenauer (Gesellschaft Liechtenauers) é conhecida como um grupo de mestres de esgrima que se consideravam discípulos de Liechtenauer, que detinham seus ensinamentos.

A escola italiana
 

          O primeiro manuscrito em língua italiana de que se tem notícia é o manuscrito Flos Duellatorum de Fiore dei Liberi, encomendado pelo Marquês de Ferrara por volta de 1410. Neste manual, ele documentou técnicas que envolvem combate corpo-a-corpo, adaga, espada de uma mão, espada longa, lanças e alabardas, combate com e sem armadura. A esgrima italiana com armas medievais ainda é representada por Filippo Vadi (1482–1487).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O começo do período moderno (1500 a 1700)

 

           Academie de l-Espee (Girard Thibault, 1628).

           No século XVI, muitas técnicas dos antigos manuscritos foram reimpressas com as técnicas modernas de impressão, notadamente por Paulus Hector Mair (por volta de 1540) e Joachim Meyer (por volta de 1570).

Neste século a esgrima alemã tendeu-se ao enfoque esportivo da arte. Os tratados de Paulus Hector Mair e Joachim Meyer descendem dos ensinamentos dos séculos anteriores na tradição de Liechtenauer, mas com novas e distintas características. O manuscrito de Jacob Sutor (1612) é um dos últimos da tradição alemã.

A escola italiana é representada pela Escola Dardi, com mestres como Antonio Manciolino e Achille Marozzo. No final do século XVI, a rapieira italiana ganha muita popularidade em toda a Europa, principalmente com o manual de Salvator Fabris (1606).

 

           Na França, surgiram as primeiras escolas de esgrima. As pistas eram desenhadas no chão, tendo sido criados novos golpes e escritos mais tratados, mudando, novamente, a técnica de combate na esgrima.

           A posição de guarda passou a ser abordada de uma nova forma: criou-se o golpe à perna do adversário, o a fundo, assim como o uso da mão desarmada no combate.

 

           Surge, também, nesse período, uma grande rivalidade entre a espada, cujo principal golpe era o de ponta, e o sabre, que o principal golpe era o de corte. Vários duelos foram realizados para se determinar o melhor armamento, mas nenhum resultado foi alcançado.

           O material começou a evoluir, tornando a esgrima mais parecida com a dos dias atuais. Surgiram as luvas, a máscara, os punhais, os coletes para os mestres, bem como os floretes, armas de treinamento mais leves e com golpes não letais.

 

 

O período moderno (1700 a 1918)
 

           Desde os primeiros Jogos Olímpicos da era moderna (1896) a esgrima faz parte das modalidades

olímpicas, sendo uma das quatro modalidades que fazem parte dos Jogos Olímpicos desde a primeira

edição.

Com todos esses acontecimentos, a esgrima perdeu sua característica bélica, ficando restrita ao caráter

esportivo.

           Todavia, ainda persistiam os duelos, moda naquela época, mas que foram extintos no início do

século XIX. Portanto, a ferida, que antes determinava o vencedor, foi substituída pelo árbitro, tornando

necessário o toque com bastante nitidez e clareza de movimentos.

           Com isso, a esgrima se tornou mais acadêmica, sendo a agilidade e a velocidade, fatores antes

primordiais para a sobrevivência, relegadas a um segundo plano, nessa nova esgrima de desporto,

estática e sofisticada. Em 1896, a esgrima foi introduzida nos Jogos Olímpicos de Atenas, sendo, até os dias atuais, um esporte olímpico. Em 1913, surgiram as regras internacionais de esgrima, alcançado, enfim, seus objetivos atuais: a educação física e mental de seus praticantes.

 

A pista e a roupa

           Pista de esgrima: C linha central, G linha de guarda, D zona de dois metros (ou signales), R zona de recuo (saída de pista)

A pista de esgrima tem quatorze metros de comprimento, mais um metro e meio a dois metros de recuo, zonas que também podem ser utilizadas. A largura da pista é de um metro e meio a dois. A pista ideal é elevada do chão e usada com uma malha condutiva aterrada para o uso eletrônico. Se um esgrimista sair da pista lateralmente para fugir de um golpe, poderá retornar porém deverá andar 1m para trás. Se sair pelo fundo, será dado ponto para o adversário.

 

           As vestimentas de esgrima são tradicionalmente brancas, os esgrimistas devem usar 1 - Jaqueta; 2 - Luvas; 3 - Fios elétricos; 4 - Armas; 5 - Calça; 6 - Máscara; 7 - Plastrom. Enquanto as mulheres usam protetores especiais para os seios.

           Antes do surgimento dos sensores eletrônicos, as armas eram mergulhadas em tinta para facilitar o trabalho dos juízes ou então utilizava-se giz na ponta para indicar o golpe.

 

 

 

 

                                                                                    As disputas masculinas começaram nas olimpíadas com o florete e                                                                                                           o sabre em 1896. A espada foi introduzida nas disputas masculinas nos Jogos                                                                                         Olímpicos de 1900.

                                                                                    Em 1924, as mulheres começaram a participar dos jogos olímpicos somente na                                                                                     modalidade de florete individual, um status que permaneceu até 1992. A partir                                                                                       de 1996, elas começaram também a competir nas olimpíadas na modalidade                                                                                         da espada. Finalmente, a partir de 2004 elas começaram a competir nos jogos                                                                                       olímpicos com o sabre.

                                                                                    Apesar do termo "luta de esgrima" ser frequentemente usado, no esgrimir                                                                                               nunca se tem uma "luta" mas sim "um jogo de esgrima", dado que a esgrima é                                                                                       um esporte.

Fonte : Wikipédia | FIE.org | C.B.E.